Homicídios voltam a cair na região do Vale do Paraíba e Litoral Norte

No segundo trimestre, mortes caem 12%, furtos 13%, roubos de cargas 50% e furtos de veículos 17%

qua, 28/07/2010 - 15h57 | Do Portal do Governo

Os homicídios dolosos voltaram a cair no Vale do Paraíba e litoral norte do Estado no segundo trimestre de 2010, apontam as Estatísticas da Criminalidade, divulgadas pela Secretaria da Segurança Pública (SSP). O número de mortes intencionais diminuiu 28% de abril a junho, segundo a Coordenadoria de Análise e Planejamento da SSP (CAP). A região colaborou para que o Estado registrasse em junho o menor número de mortes intencionais na história recente: 296 casos, o que corresponde a 8,84 homicídios por grupo de 100 mil habitantes. Já são 48.674 as vidas poupadas em São Paulo desde 1999, quando os homicídios começaram a declinar.

No segundo trimestre de 2010, foram registrados na região 26 homicídios a menos que no mesmo período do ano passado – 94 mortes intencionais entre abril e junho de 2009, contra 68 no segundo trimestre deste ano.

A redução do número de homicídios no segundo trimestre reverteu tendência de alta apresentada no primeiro trimestre. O balanço do primeiro semestre de 2010 mostra redução de 12% dos homicídios dolosos em relação aos primeiros seis meses do ano passado.

São Paulo reduziu homicídios dolosos em 70% desde 1999. A taxa de homicídios do estado caiu de 35,27/100 mil habitantes, em 1999, para 10,69/100 mil, em 2008, número que equivale a menos da metade da taxa média nacional, de 24,5/100 mil habitantes. Em 2009, o número de mortes intencionais no estado oscilou ligeiramente para cima, mas agora, ao final deste primeiro semestre de 2010, retoma a trajetória de queda.

A Secretaria da Segurança Pública entende que o crime contra a vida está sob controle em São Paulo. A redução dos homicídios no estado, que tem 42 milhões de habitantes, colabora para a diminuição das mortes intencionais no Brasil.

Crimes contra o patrimônio

Os crimes contra o patrimônio também recuaram na região de São José dos Campos. Os roubos caíram 12% no segundo trimestre, consolidando a tendência de queda de 11% no primeiro semestre. Em números absolutos, houve 357 crimes a menos de abril e junho, em relação ao segundo trimestre de 2009.

Os roubos seguidos de morte tiveram expressiva redução no segundo trimestre.  No ano passado, de abril a junho, foram registrados seis latrocínios. Este ano, houve dois casos a menos no período. A diminuição dos latrocínios é uma tendência consistente. No semestre, foram registradas dez ocorrências, contra 12 no período de 2009.

Os furtos recuaram 13% no segundo trimestre. Foram 971 casos a menos, em relação ao mesmo período do ano passado, confirmando a tendência de queda de 8% no primeiro semestre.

Roubos e furtos de veículos também diminuíram na região do Vale do Paraíba. Foram roubados 32 veículos a menos – uma redução de 6% em relação ao segundo trimestre de 2009. O recuo consolidou tendência de queda de 14% dos roubos de veículos nos seis primeiros meses de 2010.

O número de veículos furtados de abril a junho retrocedeu em 204, uma queda 17%. No semestre, a redução acumulada de furtos de veículos é de 18%. As polícias da região recuperaram e devolveram aos proprietários 50% dos veículos furtados ou roubados – acima da média estadual, de 43%.

Investimentos e mudanças nas polícias

O número de roubos de cargas caiu 50% no primeiro semestre, de 48 casos nos primeiros seis meses do ano passado para 24, este ano. Foi o recuo mais expressivo no Estado. No segundo trimestre, o recuo foi de 22 para 15 casos em relação ao mesmo período de 2009.

Assim como no segundo trimestre de 2009, o Vale do Paraíba e Litoral Norte não registraram nenhum roubo a banco. A redução dos crimes contra o patrimônio resulta de mudanças nas políticas de segurança pública do Estado, da ação das polícias e da melhora do cenário econômico. Desde março do ano passado, houve alterações na gestão da área de segurança, com a designação de novos comandantes militares e delegados diretores de departamentos, criação de novas unidades especializadas e fixação de metas.

A Polícia Civil teve fortalecido seu papel na investigação dos crimes. Já a Polícia Militar teve reforçado o efetivo e a frota de viaturas e aeronaves. O Governo Estado estendeu a todos os 645 municípios ferramentas de Inteligência Policial, como o RDO (Registro Digital de Ocorrências) e o Infocrim, que permitem o mapeamento da criminalidade, com indicação de locais, dias e horários de maior incidência criminal, e que tanto colaboraram para a redução dos homicídios na capital e nos maiores municípios.

Da Secretaria da Segurança Pública