Alckmin recebe visita do governador de Goiás

Marconi Perillo disse ter conversado sobre troca de experiências com o governador paulista

seg, 16/04/2001 - 15h45 | Do Portal do Governo


Marconi Perillo disse ter conversado sobre troca
de experiências com o governador paulista

O governador Geraldo Alckmin recebeu nesta segunda-feira, dia 16, a visita do governador de Goiás, Marconi Perillo. Os dois almoçaram na ala residencial do Palácio dos Bandeirantes, em companhia do presidente da Assembléia Legislativa, deputado Walter Feldman. Segundo Perillo, essa foi uma visita de cortesia, na qual foram tratados assuntos sobre o panorama político e administrativo do País. “Foi uma conversa muito amena e respeitosa sobre troca de experiências”.

Em relação à Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) impetrada na última semana pelo Governo do Estado de São Paulo no Supremo Tribunal Federal contra benefícios fiscais oferecidos pelo Governo de Goiás, Perillo disse que o assunto não fez parte da conversa com Alckmin. “A Procuradoria de São Paulo tem um entendimento em relação a esse assunto e a Procuradoria de Goiás tem outro e essa questão certamente será decidida não apenas em função dessa Adin, mas em função de toda uma demanda nacional pela reforma tributária”.

O governador disse que está sendo feita uma avaliação para saber o que pode ser feito do ponto vista jurídico pelo Governo de Goiás. “Respeitamos a posição do Governo de São Paulo, que não é uma retaliação contra o Governo de Goiás, mas uma posição de autodefesa em relação a todos os Estados que estão oferecendo incentivos fiscais”. Perillo espera que a questão seja resolvida definitivamente por meio da reforma tributária ou de um acordo no Confaz – Conselho Nacional de Política Fazendária –, órgão que reúne os secretários da Fazenda de todos os Estados da Federação.

Indagado se a proibição do uso do amianto na cidade de São Paulo afetaria a economia de Goiás, que é um Estado produtor, Perillo disse que vai discutir a questão no âmbito legislativo. “Estamos nos embasando em pesquisas científicas da Unicamp e da USP, que nos dão tranqüilidade em relação ao uso do produto. Na nossa avaliação o amianto é muito menos maléfico do que a maioria dos outros produtos minerais”. Ele disse ainda que o Governo de Goiás entrou com uma Adin contra o Governo do Mato Grosso do Sul em relação a essa questão, e se a decisão for favorável a Goiás o mesmo procedimento poderá ser adotado contra a Prefeitura de São Paulo. Segundo Perillo, 200 mil pessoas de seu Estado trabalham na cadeia produtiva do amianto.

Simão Molinari