Chalita quer apoio para o Escola da Família

Jornal da Tarde - São Paulo - Sexta-feira, 13 de agosto de 2004

sex, 13/08/2004 - 10h14 | Do Portal do Governo

Secretário pretende dobrar o número de universitários carentes que trabalham nas escolas estaduais nos fins de semana em troca de bolsa, mas precisa de parcerias com empresários

Giovanna Balogh

O secretário de Estado da Educação, Gabriel Chalita, anunciou ontem a intenção de dobrar o número de universitários bolsistas do Programa Escola da Família com a ajuda da iniciativa privada. Segundo ele, a secretaria já gastou R$ 184 milhões no primeiro ano do programa e não tem como pagar por mais 25 mil universitários. ‘As conversas estão avançadas e com certeza vamos conseguir empresários dispostos a ajudar’, afirmou. ‘Eles sabem que quando investem em educação, melhoram a saúde e renda.’

Atualmente 25 mil universitários oferecem atividades nas escolas estaduais abertas nos finais de semana. Em troca, estudam de graça em universidades particulares. O Estado paga 50% do curso (limitados a R$ 267) e o restante é bancado pela faculdade.

Chalita disse que já conversou com as 311 instituições de ensino superior que oferecem as bolsas em 2.265 cursos. ‘As faculdades aceitaram dobrar as vagas e as negociações caminham bem com os empresários’, garantiu.

Segundo ele, o Escola da Família permite que cursem o ensino superior os vestibulandos carentes que não conseguiram vagas nas universidades públicas paulistas. Para se candidatar a uma bolsa, o interessado precisa ter estudado, pelo menos, três anos na rede pública estadual e ser carente.

O primeiro ano do programa está sendo comemorado com alguns eventos este mês. No Memorial da América Latina acontece, nos dias 18 e 19, um congresso para os educadores e uma mostra dos trabalhos desenvolvidos nas escolas. No dia 23, está programado show no ginásio do Ibirapuera.

O Escola da Família abre as portas das unidades escolares nos fins de semana transformando-as em centro de lazer, cultura, esportes e educação para toda a comunidade. Chalita mostrou que a iniciativa foi bem aceita: as 5.306 escolas da rede receberam 51.887.955 milhões de participantes. ‘Por mês, recebemos cerca de 7,5 milhões de participantes e assim como vamos ampliar o número de bolsistas, pretendemos aumentar esse número para 11 milhões’, planeja.