Pesquisa: Taxistas opinam sobre desempenho das funções oferecidas pelo Ipem ao setor

Foram ouvidos 1.569 taxistas em 14 municípios. Desses 91% aceitam os trabalhos do Instituto

seg, 08/11/2004 - 13h23 | Do Portal do Governo

De 12 de setembro a 15 de outubro, o Instituto de Pesos e Medidas do Estado de São Paulo, Ipem-SP, órgão vinculado à Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania, realizou uma pesquisa de opinião inédita junto aos taxistas do Estado de São Paulo sobre o desempenho das funções oferecidas pelo Instituto ao setor. Foram ouvidos 1569 taxistas e o resultado geral apontou um grau de satisfação com os serviços em 91%.

O destaque ficou por conta do atendimento apontado por 97% dos entrevistados como bom. Já a pista de verificação, local onde acontecem os exames dos taxímetros foi lembrada como item a ser aprimorado. Dos entrevistados, em todo o Estado, 22% deu conceito regular às pistas de verificação.

O Ipem-SP desempenha um trabalho fundamental para a categoria, pois em todo o Estado, por decisão das prefeituras onde há o serviço, os taxímetros (tecnicamente medidores de comprimento) têm de passar por uma vistoria metrológica para poderem rodar nas praças. A verificação periódica, que acontece uma vez por ano, é fundamental à segurança dos passageiros na hora de pagar as corridas de taxi. Ela evita a adulteração dos aparelhos, como as popularmente conhecidas “turbinas”, sistemas elétricos adaptados aos taxímetros a fim de encarecer o valor das corridas.

Os valores das tarifas cobrados pelos taxistas são determinados pelo município e algumas prefeituras autorizam o serviço de taxis especiais, como na capital, onde há, também, as categorias luxo e especial, cujas tarifas são maiores em relação às praticadas por taxis comuns. Por isso, para evitar aborrecimentos, observe a existência do lacre amarelo no taxímetro, ele foi colocado ali pelos técnicos do Ipem-SP no final das vistorias. Fique atento, ainda, a data de validade escrita no selo do Inmetro, é obrigatória a existência desse selo.

A pesquisa de opinião da ouvidoria do Instituto de Pesos e Medidas aconteceu em: Araçatuba, Araraquara, Bauru, Campinas, Marília, Presidente Prudente, Santos, Santo André, São Carlos, São José dos Campos, São José do Rio Preto, Sorocaba, Ribeirão Preto e na Capital. Em todos esses municípios a legislação local obriga os taxistas a terem taxímetros nos carros, consequentemente, eles devem passar pela verificação anual do Ipem-SP.

A metodologia utilizada para a pesquisa estruturou-se na distribuição de um questionário por uma seleção por amostragem do universo de 46 mil taxistas no Estado. Por isso, na capital foram ouvidos, 684 taxistas, em Santos 297, Araçatuba 89 e assim por diante. Nos questionários foram abordados os seguintes aspectos dos serviços prestados pelo Ipem-SP: Localização da Pista de Verificação; Cortesia e Rapidez no Atendimento; Instalações e Atendimento Telefônico. O nível de confiança do resultado é de 98% com uma margem de erro de 2% para mais ou para menos.

Com os dados, agora compilados, é possível à administração do Ipem-SP mapear os pontos mais carentes para melhorá-los e dar continuidade aos pontos ressaltados como positivos. Por exemplo, a manutenção dos 93% obtidos do índice bom quando a pergunta foi: De uma maneira geral que conceito você daria ao Ipem-SP?

Esse trabalho da ouvidoria está integrado a gestão do Instituto de Pesos e Medidas, que visa o aprimoramento de todos os serviços prestados à população. Qualquer dúvida, questionameto, ou reclamação sobre taxímetros pode ser feito através do: 0800.13.05.22, das 8h00 às 17h00, de segunda a sexta-feira, de qualquer um dos 645 municípios paulistas. Outros detalhes sobre o setor podem ser obtidos pelo: www.ipem.sp.gov.br.

Da Assessoria de Imprensa do Ipem

C.C.